Categorias
crônicas

Domingo – Eu, Gilbert e Leminski

Certo.

Uma vez eu estava assistindo “Gilbert Grape: Aprendiz de sonhador”, um dos meus filmes favoritos, e em uma cena a Becky pergunta pro Gilbert “O que você quer pra você?”. Ele hesita, mas responde “Eu quero ser uma pessoa boa.”

Eu também Gilbert, eu também. Ao mesmo tempo, sinto que necessito descobrir quem eu sou, porque sei que em algum lugar do tempo/espaço, eu me perdi, e estou tentando achar o caminho de volta.

Eu tenho estado triste pelas minhas últimas atitudes aqui no mundo. É como se eu não estivesse sendo o que gostaria, e nem me esforçando para tal.

Bom, hoje eu estava a fim de ler um poema, e encontrei um do Paulo Leminski bom:

tenho andado fraco

levanto a mão
é uma mão de macaco

tenho andado só
lembrando que sou pó

tenho andado tanto
diabo querendo ser santo

tenho andado cheio
o copo pelo meio

tenho andado sem pai

yo no creo en caminos
pero que los hay
                hay

Me identifiquei com esse.

Então, somos eu, o Gilbert e o Leminski nesse domingo.

Espero que você, leitor, esteja bem nesses tempos sombrios.

Categorias
Série Querido Deus

Querido Deus #20

Querido Deus,

Hoje foi um dia até que bom. Estou com planos: fazer uma lista com 30 coisas para fazer antes dos 30. Acho que será um desafio legal.

Jesus, abençoa a Flávia Calina. Ela é muito legal, de uma maneira genuína.

Toma conta do país, estamos todos precisando. E olha pelos refugiados também.

Amém.

Categorias
Série Querido Deus

Querido Deus #18

Querido Deus,

Me sinto apaixonada. Não sei pelo quê direito, mas me sinto apaixonada. Acho que é pela palavra. Cada vez mais eu dou valor à Língua Portuguesa, sobretudo ao português brasileiro. É lindíssimo.

Hoje eu tô de bem com a vida. Hoje. Tenho meus dias.

O mundo não vale a pena meu bem, mas a vida vale a pena ser vivida. É complexo mas verdadeiro.

Obrigada Jesus. Pelos meus amigos. Pelo amor. Pela palavra.

Cantiga de enganar – Carlos Drummond de Andrade
Categorias
Série Querido Deus

Querido Deus #17

Querido Deus,

A novidade é que eu voltei a falar com o Antônio – expliquei pra ele o porquê estava magoada e ele se desculpou. Desculpei ele e pedi perdão também. Estamos bem de novo.

Tem sido tempos difíceis. Há racismo. Há ameaças de fascismo. Há pessoas lutando por liberdade. O Senhor deve estar magoado com o ser humano faz um tempo né? Conseguimos destruir todo esse mundo perfeito que o Senhor nos deu por causa da nossa vaidade; e criamos a fome, a desigualdade social, somos corruptos. Somos vaidosos. E para quê? Só para alimentar nosso ego terrível. Por favor Jesus, tire de mim a vaidade que me afasta dos Teus planos. Me dê força para lutar contra o que é ruim.

Graças a Deus eu tenho minha família e amigos – poucos porém suficientes e verdadeiros. Obrigada.

Obrigada por eu ter o que vestir, o que comer, onde repousar minha cabeça e esse papel e essa caneta. Obrigada pela vida.

As aulas voltaram (de maneira online), e eu estou bem cansada pra ser sincera. Mas vou seguindo no meu planejamento.

Eu penso muito sobre a vida, sobre ela ser essa sucessão de fatos doces e amargos, aleatórios. Sobre haver um futuro e ele ser uma astronave que tentamos pilotar.

Afora isso, tenho em mim todos os sentimentos, e pensamentos, do mundo.

Categorias
Série Querido Deus

Querido Deus #16

Querido Deus,

Eu ainda estou sem falar com o Antônio. Sinto sim falta dele, às vezes. Fiquei extremamente magoada com o que ele me disse, sobre eu não me importar com ele.

Jesus, meus pensamentos são muito confusos. Eu penso em um milhão de coisas sobre a vida, e não chego a lugar nenhum, sem nenhuma conclusão.

Eu não sei onde foram parar meus sonhos. “Em que espelho ficou perdida minha face?”

Me ajuda a resistir à tentação. Tem misericórdia de mim que sou miserável pecadora. Me dá forças pra continuar vivendo.

Abençoa os meus pais, meus irmãos e a Mariana.

Amém.

Categorias
Série Querido Deus

Querido Deus #13

Querido Deus,

Hoje eu assisti uma pregação do reverendo Augustus Nicodemus sobre sofrimento dos fiéis. É uma pregação muito boa, baseada no salmo 88. Tem uma coisa que ele disse que me deixou pensativa: o salmista, no mais profundo sofrimento, fala pro Senhor “o que o Senhor vai ganhar se eu morrer? O Senhor só vai perder um pregador”; daí que eu pensei o que o Senhor vai perder se EU morrer. O que acontece? Parece que a vida é só sofrimento, o tempo todo.

Ajuda a Mariana na nova fase (universitária) dela.

E seu eu fosse viajante igual o pessoal da Expedição Raiz? Eles conhecem as maravilhas da natureza feitas pelo Senhor e conhecem pessoas, e as escutam. Eu queria poder fazer isso.

Meu Deus, como faz pra separar o joio do trigo? Parece tão difícil; tem muita gente ruim, mas tem tanta gente boa também…

Acho que vou começar a escrever contos… só preciso concretizar e ter ideias. Quem sabe dá certo né?

Continuamos em quarentena. Ajuda-nos Senhor, ajuda-nos.

Amém.

Categorias
Série Querido Deus

Querido Deus #12

Querido Deus,

As coisas estão cada vez mais difíceis. Com o coronavírus obrigando todo mundo a ficar em casa, a economia parece que vai ruir e o ano escolar também. Teremos que tomar medidas. Quais? Eu não sei, mas teremos.

Minha espiritualidade está fraca. Me perdoa Jesus, por tudo que eu fiz contra o Senhor. Eu tenho errado constantemente, mas eu tenho vontade de parar.

Eu penso muita coisa. Sozinha eu sou minha inimiga íntima. Por que estou infeliz?

Parece que está tudo desabando sobre a minha cabeça e eu tô parada sem fazer nada. Nada.

Me ajuda.

Amém.

Categorias
Série Querido Deus

Querido Deus #11

Querido Deus,

Ah Jesus… A vida tá meio assim sabe? Sem sal. Eu tenho medo de viver as coisas, de falar com as pessoas. Eu tenho medo de errar e me magoar e me arrepender.

Constantemente eu me sinto sozinha. Sem meus amigos. A mulher dentro da saia tem poucos, raros amigos.

Eu estou totalmente desacreditada do amor. Sei lá, acho que nasci pra ficar sozinha mesmo. Com a solidão a gente se acostuma, mas e com os desejos (porque eles existem)? Concomitantemente, às vezes surge em mim uma vontade de ser mãe. De engravidar e ter um bebê. Onde já se viu isso, se eu tô desacreditada no amor e não vou casar nunca?!

Às vezes eu queria acordar com 60/70/80 anos, pra não ter que ver a vida passar. Às vezes eu queria voltar lá pros meus 17 anos, que foi uma época muito boa pra mim.

O mundo é muito ruim. Será que viver vale tanto a pena assim? Eu queria ser feliz. Eu tenho tudo pra ser feliz, e por que não o sou? Por que tem um vazio aqui dentro?

Eu sinto que perdi o Raul. Acho que eu amo ele. Como pode? Mas ele merece alguém melhor que eu; uma auxiliadora; uma mulher de Deus que apoie ele nos planos que ele tem. Eu quero muito que ele continue sendo feliz. Por que eu nunca consegui esquecê-lo?

Tem uma doença que tá alastrando o mundo. Uma pandemia. As pessoas só saem de casa quando necessário. Nos proteja Jesus, nos proteja.

Limpa os meus pensamentos e abençoa meus amigos.

Amém.

Categorias
Série Querido Deus

Querido Deus #10

Querido Deus,

Muita coisa vem acontecendo. Tá todo mundo louco por causa desse coronavírus. Muita gente tem pegado; as aulas estão suspensas; muita gente tem morrido. Ajuda-nos Senhor.

Meu Deus, eu acho que eu nunca vou casar, nem ter filhos. Não sei se é certo/errado pensar assim, mas é o que eu sinto no meu coração. Às vezes eu fico triste, mas fazer o que né? Me acostumar com a solidão.

Mesmo assim, eu penso no Raul. Ele precisa de uma auxiliadora. Mostra a pessoa certa, Jesus, pra ele.

Eu decidi fazer a transferência interna de curso na universidade no início do próximo ano. Vamos ver no que vai dar.

Me perdoa pelos meus pecados.

Amém.

Categorias
Série Querido Deus

Querido Deus #9

Querido Deus,

Tenho tanta coisa para falar, tanta coisa que eu penso.

Andei conversando com o Raul. Ele é tão diferente de mim. Ele é mais liberal, mas tem mais fé que eu. Às vezes eu fico pensando porque raios eu não fui a fundo nos projetos da igreja. Mandei mensagem pra ele, e ele disse que ia responder no dia seguinte. Tô esperando até agora. Li um poema do Manuel Bandeira, chamado “Cantiga”, e lembrei dele. “Nas ondas da praia/Quem vem me beijar?”; “Quero ser feliz/Nas ondas do mar”. Foi escrito em 1936.

Outro dia eu entrei no grupo de História do Facebook e uma garota já formada estava falando sobre os desafios de ser professora. Que dá vontade de chorar todo dia. Que sempre haverá o aluno que vai te xingar, ou o aluno que não quer te ouvir e passa a aula de costas pra você, te ignorando. Eu tenho medo disso. Quando eu tinha 11 anos decidi ser professora inspirada na professora Marília, que me dava aula de História, e que eu amava. Mas eu queria ir além. Eu queria dar aula na Fundação Casa, para menores infratores, mas não tenho mais esperança. Eu tenho medo e pena daqueles garotos.

“Você sabe o que é frustração? Máquina de fazer vilão”, já dizia os Racionais.

Fiquei mais em dúvida sobre o que eu quero fazer da minha vida.

Meus pais ultimamente falam em mudar de cidade, mas nada é muito claro. Eu não queria, mas se eles forem eu vou ter que ir junto. Eu fico pensando no esforço que eu tive pra passar na universidade pública, no Raul, no Antônio, e em tudo que São Paulo já me ofereceu. Mas não tem jeito, eu só vou sair da casa dos meus pais quando casar, e talvez nunca ocorra.

Minha irmã vai ir embora. Vai deixar saudade, mas vai sentir também. O pai do meu sobrinho abandonou ele. Como pode um pai abandonar um filho? Como pode?